9 de abr de 2012

Óleo de Coco Emagrece? Mito ou Verdade?



Muitas pessoas vêm me questionando sobre o óleo de coco, já que a moda agora é utilizá-lo como auxílio na perda de peso de forma "milagrosa".
Então, com base nos estudos adquiridos enquanto Técnica em Nutrição e Dietética, vou lhes dizer o que penso a respeito, relacionando com pesquisas no assunto.

Primeiramente, todo mundo deve saber que NÃO EXISTE ALIMENTO QUE NOS FAÇA EMAGRECER. Todo o alimento nos fornece energia, alguns mais, outros menos, cabe a nós adequarmos nossa ingestão ao nosso gasto energético, que vai depender do nosso metabolismo, da nossa carga genética, da nossa rotina diária (sedentária ou ativa).

Segundo, o que vi sobre o óleo de coco é que sua carga lipídica é saturada, ou seja, uma gordura presente em carnes vermelhas e produtos de origem animal, e o que sabemos a respeito dessa gordura, é que deve ser consumida com cautela, pois seu consumo elevado e a longo prazo causa o entupimento das artérias, o aumento do LDL (colesterol ruim) e chances de doenças cardiovasculares, além de obesidade e Diabetes.

Então pensemos: Como que um alimento que contém uma gordura considerada não tão saudável e associada à obesidade nos dias de hoje (por seu alto índice em Fast Foods) pode nos auxiliar na perda de peso?

Os estudos que foram realizados comprovam que o Óleo de Coco difere de outras gorduras por ser um ácido graxo composto de cadeia média, ou seja, sua metabolização pelo organismo pode ser mais rápida que vários outros tipos de gordura, o que faz com que não se acumule na forma de tecido adiposo e por aumentar o gasto de energia, promove o emagrecimento.

A comprovação que temos com base nesses estudos, nos mostra que, por ser de origem vegetal, e por ter grande presença de Ômega 3, pode nos auxiliar, se consumido de forma equilibrada, a manter os níveis de HDL (bom colesterol) e por conter grande quantidade de "Acido Láurico"(o mesmo ácido graxo presente no leite materno), ajuda a absorver melhor os nutrientes, além de fortalecer o sistema imunológico.

Então, com base nessa pesquisa, concluímos aquilo que todo mundo deveria saber: Nenhum alimento faz milagre, devemos sempre equilibrar uma alimentação balanceada, com consumo frequente de frutas e verduras, consumo de água e atividade física regular para termos um bom funcionamento do nosso corpo. E quanto a perda de peso, devemos sempre procurar um profissional que entenda do assunto, para nos auxiliar a respeito.


8 de ago de 2011

Por quê consumir arroz parboilizado?



Nos dias de hoje, ao irmos ao supermercado, encontramos diversos tipos de arroz. Dentre os mais conhecidos estão: Arroz branco (polido), arroz integral e arroz parboilizado. Mas, qual seria melhor para o consumo?

Cerca de 65% do arroz consumido no Brasil é na forma de branco (polido), seguido de 25% do parboilizado e 4% do arroz integral.

Estudos comprovam que o arroz, na forma de branco (polido), durante seu processamento, perde grande parte de seus nutrientes. Deixando-o com um ap
orte nutricional baixo.

Então, estarei descrevendo, durante esta postagem, por quê o arroz parboilizado é melhor, em termos nutricionais, que o arroz branco (polido).

Para um melhor entendimento, vamos entender do que é composto o grão de arroz.

Como vemos na figura abaixo, o grão de arroz é composto por: Casca, farelo e o grão (como é conhecido o miolo).

A casca compreende cerca de 20% de todo o grão, é rica em fibras e carboidratos e é utilizada no processo de secagem do grão como combustível, pois atinge temperatura de 1000°C.

O farelo é a parte mais nutritiva do grão, mas cerca de 20% de sua composição são gorduras, o que faz com que seja conhecido também como
"farelo gordo", é mais destinado para a fabricação de rações animais.

O grão, como também é chamado o miolo, é a parte mais consumida do grão. É rica em carboidratos e pobre em nutrientes, isso quando considerado o grão íntegro, sem ter passado pelo processo de beneficiamento.

Mas então, o que seria o processo de parboilização?

O processo de parboilização é um pré cozimento do grão ainda com casca, feita em autoclaves, sob pressão, com temperaturas em torno de 60°C. Esse processo é chamado de beneficiamento, pois proporciona a passagem dos nutrientes presentes na casca do arroz para seu interior, fazendo com que sua perda durante o descasque seja menor, o que resulta em um grão mais nutritivo em relação ao branco.

Vantagens da Parboilização:

  • O arroz se torna rico em vitaminas e sais minerais;

  • Quando cozido fica sempre soltinho;

  • Rende mais que os outros tipos;

  • Ao ser reaquecido não perde suas propriedades;

  • Nenhum composto químico é adicionado ao seu processo;

  • Conserva- se por mais tempo;

Então, fica a dica. Quem sabe vamos trocar o tão branquinho arroz polido pelo parboilizado, mais amarelinho porém mais nutritivo? Você é quem escolhe.


30 de jul de 2011

Benefícios do Mel


O mel, por definição, é um fluído viscoso, elaborado pelas abelhas a partir do néctar coletado das flores, desidratado, armazenado em alvéolos e operculados nos favos das suas colméias. Este produto é utilizado principalmente “in natura”. Existe, porém, bom número de pessoas que o utiliza misturando-o com outros alimentos ou como substituto do açúcar . A utilização do mel na nutrição humana não deveria limitar-se apenas a sua característica adoçante, mas principalmente por ser um alimento de alta qualidade, rico em energia e inúmeras outras substâncias benéficas ao equilíbrio dos processos biológicos de nosso corpo. 

Além de ser um alimento maravilhoso — um verdadeiro depósito de vitamina B, vários minerais e antioxidantes — o mel é um dos remédios mais antigos de uso contínuo. A Dra. May Berenbaum, entomologista da Universidade de Illinois, EUA, comenta: “Há séculos o mel tem sido usado para tratar vários problemas médicos, como ferimentos, queimaduras, cataratas, úlceras de pele e arranhões.”

Analisaremos agora diversos benefícios que o mel pode trazer para nossa saúde:

Ação Bactericida:As propriedades físico-químicas do mel, não só contribuem para a sua actividade anti-bacteriana, como também para o processo de cicatrização das feridas.


Propriedades antiinflamatórias:
Famoso mel e limão contra gripes
Os antioxidantes do mel possuem uma ação antiinflamatória que ajuda a reduzir o inchaço, melhora a circulação e não deixa o ferimento exsudar. 


Gripes, resfriados e doenças respiratórias:
Mel é excelente opção nutricional para muitas gerações devido efeitos os contra gripes, resfriados, asma, amigdalite e bronquite.

Laxante: 
O mel é levemente laxativo. Os que sofrem de prisão de ventre devem tomar, de manhã, ao levantarem-se, e de noite, ao deitarem-se, um ou dois copos de água, preferivelmente morna, adoçada com uma colherada de mel. 

Valor alimentício:
O mel é um alimento que não produz resíduos. Não exige um trabalho digestivo árduo como o açúcar de cana (ou sacarose), que requer o concurso do suco gástrico, para tornar possível a sua assimilação.
Não sendo um alimento de alto custo, pode ser consumido com frequência, quer ao natural quer na preparação de bolos e doces. O mel é um valioso alimento para as crianças, a partir dos dois anos de idade. Estes recebem benefícios se o mel faz parte do seu cardápio, pois lhes assegura maior desenvolvimento físico, graças às vitaminas e fosfatos que contém.

Cosmético Natural:
O mel e seus derivados são importantes matérias-primas tradicionalmente utilizadas na produção de cosméticos naturais e à base de produtos naturais. Esses ingredientes possuem propriedades emolientes, antioxidantes  hidratantes, nutritivas, antiinflamatórias, cicatrizantes e regeneradoras. Além disso, o mel é riquíssimo em minerais e vitaminas (principalmente e vitamina C), que a ciência  comprova como substância foto protetora da pele e que é poderosamente regeneradora. O mel é indicado para peles acneicas e/ou envelhecidas.


Porém, muito cuidado! O mel não deve ser administrado por crianças menores de 2 anos de idade!

Botulismo é um tipo severo de intoxicação alimentar causado pela ingestão de alimentos contendo uma potente neurotoxina formada durante o crescimento do Clostridium botulinum, cujos esporos estão frequentemente distribuidos na natureza. A origem desses esporos é desconhecida no botulismo infantil, mas o mel tem sido identificado como possível fonte de contaminação. 

> Sintomas: O  aspecto clínico do botulismo intestinal varia de quadros com constipação leve à síndrome de morte súbita. Manifesta-se inicialmente por constipação e irritabilidade, seguidos de sintomas neurológicos caracterizados por dificuldade de controle dos movimentos da cabeça, sucção fraca, disfagia, choro fraco, hipoatividade e paralisias bilaterais descendentes, que podem progredir para comprometimento respiratório.

Infelizmente, o uso do mel ainda é muito restrito entre os consumidores, sendo utilizado praticamente em combates a gripes e resfriados e uso cosmético. A falta de divulgação de seus benefícios e propriedades faz com que este alimento maravilhoso para nossa saúde deixe de ser apreciado.


Vamos consumir mais mel? 

3 de jun de 2011

Dicas para não cometer erros

Recebi via e-mail, a partir de um cadastro que tenho na dietaesaude.com.br, dicas super interessantes de erros que algumas pessoas costumam cometer por falta de informação completa e verdadeira. Afinal quem nunca ouviu falar que tal alimento emagrece, ou então que não se pode jantar à noite, etc. Com certeza falam essas coisas por falta de conhecimento. Achei a explicação direta e de fácil entendimento, e com o intuito de passar à diante as informações, posto a seguir:

Obs: Sublinhei o que acredito que deva ser lido com atenção.






12 de abr de 2011

DIVERTICULOSE E DIVERTICULITE

Um pouquinho sobre essa patologia, assunto de nossa pesquisa em Dietoterapia
Definição Diverticulose é o desenvolvimento de bolsas, chamadas de divertículos, que se formam basicamente no intestino grosso, devido à alta pressão na expulsão de fezes e o enfraquecimento de pontos da parede intestinal. Quando há o depósito de restos fecais nessas bolsas, acaba acontecendo uma inflamação, que chamamos de Diverticulite.


Causas
da Diverticulose
Baixa frequência de atividade física, mau funcionamento intestinal, idade avançada e principalmente o baixo conteúdo de verduras, frutas e saladas da dieta.

Causas da Diverticulite
Complicações da diverticulose.




SintomasAdicionar imagem
Dores na região inferior esquerda do abdome e febre. São facilmente confundidos com sintomas de apendicite, por isso a importância do diagnóstico correto.

Diagnóstico

O diagnóstico correto se dá através da tomografia computadorizada e ultrassonografia ou colonoscopia.

Tratamento
O tratamento para a Diverticulose se dá através da atividade física que estimula o trânsito intestinal e consumo ade
quado de frutas e verduras. Porém quando resulta na diverticulite, dependendo do caso, o repouso é domiciliar, com início à dieta líquida, evoluindo para a pastosa, com BAIXO teor de fibras, ou seja, consumo de saladas cozidas, como cenoura e beterraba, frutas em menor quantidade e sem cascas, mínimo consumo de grãos como lentilha, feijões e alimentos flatulentos, como couve e repolho.